Zé Renato canta Paulinho da Viola

8 de fevereiro de 2020 19:30 - 21:30

Cantor e compositor estreia no Rio, dia 8 de fevereiro, o show de seu recém-lançado CD “O Amor é Um Segredo”, acompanhado no palco por Edu Neves (sax tenor e flauta) e Paulino Dias (percussão). O cenário é de Fabio de Souza e a iluminação de Pedro Altman.

“O Amor é Um Segredo” está disponível nos aplicativos de música nesta sexta, 13 de dezembro, e em breve as nove faixas saem também em CD, com distribuição da Mills Records

Emerge a beleza. Emerge a delicadeza. Da tristeza dessa cidade submersa do Rio de Janeiro, inundada por Paulinho da Viola em 1973 – e mergulhada por Chico 20 anos depois – é pelas mãos e pela voz de Zé Renato que a beleza e a delicadeza emergem. Um capixaba que já fez dessa cidade submersa seu lugar, de tanto que se fundiu a ela.

E quem dirá que beleza e delicadeza não são um veículo político, em uma cidade que, além de submersa, vê-se também soterrada pelo embrutecimento das relações e pela banalização da violência? Pois o cantar sereno, leve e preciso de Zé, se permitindo filtro da suavidade de Paulinho, talvez esteja entre o que há de mais necessário no momento. O código de uma tristeza tão ancestral quanto necessária.

“Optei por nove sambas, boa parte deles não tão conhecidos. Nas escolhas que fiz, há também uma explícita dose de tristeza – tristeza que, a meu ver, percebe-se nos mais lindos sambas que conheço. A tristeza é senhora, disse Caetano”. Assim Zé apresenta as canções de “O Amor É um Segredo – Zé Renato Canta Paulinho da Viola”. Um segredo que se decifra em símbolos desde a capa até a assinatura inconfundível de Paulinho nas melodias das faixas, representações metonímicas dele próprio, cada uma delas.

Foi pra preservar essa aura daviolesca que Zé gravou o disco em registro íntimo, com voz e violão gravados simultaneamente, sobre os quais alguns elementos pontuais foram inseridos, como o sax de Spok, em “Lua”, “Só o Tempo”, “Foi Demais” e “Para Um Amor no Recife”, o trompete de Fabinho Costa em “Cidade Submersa” e as percussões leves de Tostão Queiroga, presentes em quase todo o disco.

O novo trabalho de Zé Renato, produzido pelo próprio Zé em parceria com os irmãos Tostão e Lula Queiroga, expõe uma linhagem, uma genealogia, uma nobreza da leveza, que compreende a tristeza e a desilusão, mas é sempre capaz de lapidar a beleza e a delicadeza, outrora naufragadas nas próprias feridas, mas que Paulinho e Zé Renato são capazes de fazer emergir.

“Ou seja, o único jeito é entregar-se sem resistência e deixar-se levar pela tristeza. E assim deixei. Paulinho é um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos. Faz tempo que suas músicas ajudam a embelezar o repertório de inúmeros intérpretes. E agora, modestamente, chegou a minha vez”.

Para nossa sorte, Zé.

Por
João Cavalcanti


FAIXAS

01. Um Caso Perdido (Paulinho da Viola)
Voz e violão: Zé Renato
Percussão: Tostão Queiroga

02. Sofrer (Paulinho da Viola / Capinam)
Voz e violão: Zé Renato
Percussão: Tostão Queiroga

03. Lua (Paulinho da Viola)

Voz e violão: Zé Renato
Sax barítono: Spok
Percussão: Tostão Queiroga

04. Só o Tempo (Paulinho da Viola)
Voz e violão: Zé Renato
Sax barítono: Spok
Percussão: Tostão Queiroga

05. Cidade Submersa (Paulinho da Viola)
Voz e violão: Zé Renato
Trompete surdina: Fabinho Costa

06. Foi Demais (Paulinho da Viola / Mauro Duarte)
Voz e violão: Zé Renato
Sax barítono: Spok
Percussão: Tostão Queiroga

07. Vida (Paulinho da Viola / Elton Medeiros)
Voz e violão: Zé Renato
Percussão: Tostão Queiroga

08. Para Um Amor no Recife (Paulinho da Viola)
Voz e violão: Zé Renato
Sax tenor: Spok

09. Minhas Madrugadas (Paulinho da Viola / Candeia)
Voz, assovio e violão: Zé Renato


FICHA TÉCNICA

Produção musical: Zé Renato, Lula Queiroga e Tostão Queiroga
Gravado no estúdio Luni Áudio (Recife), em setembro de 2019
Técnico de gravação, mixagem e masterização: Paulo Germano Filho
Assistente de gravação: Tostão Queiroga
Produção executiva: Memeca Moschkovich
Projeto gráfico: Philippe Leon
Foto capa: Juarez Ventura
Independente / Distribuição física e digital: Mills Records


Serviço
Data: 08 de fevereiro (sábado). Horário: 19h30. Abertura da casa: 18h00.
Ingressos: R$ 80,00 (Inteira), R$ 40,00 (meia-entrada), R$ 60,00 (Promoção para os 100 primeiros pagantes).

Compre seu ingresso online clicando aqui http://bit.ly/IngressosTeatroRival2020_2GIaEKp

Bilheteria: Terça a Sexta das 13h às 21h | Sábados e Feriados das 16h às 21h
Censura: 18 anos. Capacidade: 350 pessoas. Informações: (21) 2240-9796
Metrô/VLT: Estação Cinelândia

Meia-entrada: Estudante, Idosos, Professores da Rede Pública Estadual, Funcionários Refit, Assinantes do Jornal O Globo

Teatro Rival: Rua Álvaro Alvim, 33/37, Cinelândia – Rio de Janeiro. http://www.teatrorivalrefit.com.br/