14/01 ~ Makley Matos

‘A voz! Foi assim que o historiador e jornalista Sérgio Cabral, definiu Makley Matos na audição para o musical sobre a história do samba – É com esse que eu vou – de Rosa Maria Araújo, em 2009. Nei Lopes, um dos maiores compositores vivos do samba, em seu blog, o define como “um “vozeirão sambístico”, mistura boa de João Nogueira e Roberto Ribeiro.

Quase uma década depois de rodar o Brasil com o musical, Makley Matos lança seu primeiro disco solo, Liberdade e Saravá. Já disponível em todas as plataformas digitais, o trabalho tem 12 faixas que reúnem um repertório que espelha sua trajetória e traduz seu compromisso como artista. É uma reverência ao samba, na mistura de velhos e novos nomes e batuques. Com composições inéditas e regravações, tendo a direção musical de Rafael Mallmith. No cardápio, músicas dos compositores Wilson Moreira, Luiz Grande, Paulo César Pinheiro, Délcio Carvalho, João de Aquino e Maurício Carrilho, Nei Lopes, Mingo Silva, Anderson Baiaco e Diogo Nogueira, entre outros bambas.

O capixaba Makley Matos, aprendeu a tocar e ouvir sambas nas rodas improvisadas dentro de casa. Aos 16 anos, subiu ao palco, substituindo um tio, e deste, nunca mais saiu, numa trajetória que completa 24 anos.

O primeiro salto foi a chegada à Brasília, para uma temporada com o grupo Sambakana. No potencial do cerrado, onde o samba tem raízes nos bairros como o Cruzeiro, o cantor fincou raízes, juntando-se a nomes locais. Com o maestro Evandro Barcelos, fundou o grupo Samba e Choro, que se apresentou pelo Distrito Federal e por vários estados brasileiros. Em 2003, foi convidado a integrar, como vocalista e percussionista, o grupo Firme e Forte, que acompanhou Beth Carvalho na capital. Em 2004, desembarcou no Rio com a mesma banda, para uma temporada na casa Rio Scenarium, uma das grandes casas da Lapa, e no Rio de Janeiro ficou.

O lançamento do disco solo, ocorre em um momento especial para Makley Matos e o samba. Com o coletivo Festa da Raça, roda composta por 9 intérpretes e instrumentistas da nova geração, subiu ao palco do Espaço Favela, arena criada pelo Rock in Rio na edição de 2019 para celebrar a raiz da cultura carioca.

SERVIÇO

Data: 14 de Janeiro (Terça-feira). Horário: 19h30. Abertura da casa: 18h.
Ingressos: R$ 60,00 (Inteira), R$ 30,00 (meia-entrada)

Compre seu ingresso online clicando aqui http://bit.ly/IngressosTeatroRival2020_2GIaEKp

Bilheteria: Terça a Sexta, das 13h às 21h | Sábados e Feriados, das 16h às 21h


Censura: 18 anos.
Capacidade: 350 pessoas.
Meia-entrada: Estudante, Idosos, Professores da Rede Pública e Assinantes do Jornal O Globo

Teatro Rival
Rua Álvaro Alvim, 33/37, Cinelândia – Rio de Janeiro. www.www.teatrorivalrefit.com.br

Metrô/VLT: Estação Cinelândia

Informações: (21) 2240-9796